terça-feira, 6 de outubro de 2009

Delírios Embriagados.

Morde-me.
Arranca de mim um pedaço de fúria.
Tira-me tudo, mas deixa em mim
minha luxúria.

Meu fardo de sina,
minha lamúria.

Bebe-me.
Suga meu corpo do nojo ao desejo.
Lambe o veneno e cospe o remédio.
Antes que o mundo apodreça

num triste lampejo,
num surto de festa.

Cura-me.
Nega-me o corte do olho divino.
Pobre menino descalço pedindo
a felicidade num copo de vidro.

Conto de fadas num ponto
que finda toda conversa.

Beija-me.
Faz com que o vento adormeça.
Faz com que o sol anoiteça
num sono profundo.

O centro de tudo
no meio da testa.

[Thom Albuquerque]


[imagem: Drunken Silenus Rubens]

14 comentários:

Anônimo disse...

Tu tava porre quando escreveu essa? hehehehe
Flor.

Thom Albuquerque disse...

hehehe... Pior é que tava mesmo.

Meloony Akeemy disse...

ushaushuahs...Achei legal ;)

Géssica Bouvier disse...

mto show seeu blog...Gosteei

Beeijos te adoro

Thom Albuquerque disse...

^^ agradecido~[eu acho] rsrs. bjos mútuos

Frnk disse...

Gostei do poema!

Na verdade tem umas coisas tuas que gosto muito e outras tantas que não comento... Mas que não posso dizer que não goste!

AHHAHAHAH!!!!!!!!

Thom Albuquerque disse...

rsrs... Seu fanfarrão!
Mas... Obrigado [eu acho] rsrsr

Anônimo disse...

Vc cada vz + se superando.
bjs, Bells

Anônimo disse...

Louca essa imagem
Flor.

Thom Albuquerque disse...

podes crer, obra-prima essa tela!

Anônimo disse...

Mintiiira. meu benzinho nem bebe. xD kkk
>anjo

Thom Albuquerque disse...

Iiiisso... Defenda-me!!! rsrsrsrs
Bjins, meu anjo ^^

RaiH disse...

perfeitoo!!

Thom Albuquerque disse...

O mérito é da Vodka ^^