terça-feira, 7 de setembro de 2010

Escolhas do acaso.

Quem sabe a gente se encontra num sonho bom
esmiuçando desejos, totalmente rendidos à paixão.
Quem sabe você volta pra mim...

Quem sabe a gente esquece o que machucou
alimentando o fogo com beijos sem fôlego.
Quem sabe você volta pra mim...

Eu escolho a solidão como penitência,
escolho a madrugada como residência,
a me esconder nas sombras dos teus cílios
ofuscando o brilho dos teus olhos.

Mas, quem sabe o amanhã seja um sorriso
grande, aberto e orgulhoso.
Quem sabe o despertar brilhe intenso
na cor dos teus lábios divinos.

Quem sabe o sol,
quem sabe o amor...
Quem saberá?
Por todos os fins,
quem sabe você volta pra mim.