quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Bichos sem coração.

Não vou viver o espasmo noturno
de uma transa fria pensando em você,
Nem vou querer ser dos céus um rascunho
beato e satânico de um só ser.

Não quero crer no que o mundo oferece,
ser um rato inerte sem consolação,
Viver somente de restos intrépidos,
fétidos, pútridos... Em comunhão.

E não me diga, meu bem,
que você vai me amar,
por que não acredito em amor
entre dois bichos sem coração.

Dentro do meu universo secreto
eu me escondo do seu julgamento moral.
Como um gatilho esperando uma ordem
eu sofro calado ao vazio matinal.

E você pode cuspir em meu rosto
todo seu veneno, que não me faz mal.
Pode pisar no meu corpo, abusar do meu gosto
e fazer de mim seu serviçal...

Mas não me diga, meu bem,
que você vai me amar,
por que não acredito em amor
entre dois bichos sem coração.

(Thom Albuquerque)
Em 08/09/2011, Fortaleza-Ceará.

Nenhum comentário: