sábado, 25 de fevereiro de 2012

Meu mar-de-rosas.

Não se engane com o meu sorriso
E não vá pensando que está tudo bem,
Meu mar-de-rosas.

Aprendi com o mundo
A ser fingido, dissimulado, bandido.

Não se entregue sem pensar, Oh não!
E não vá fazendo serenatas sem amor,
Meu mar-de-rosas.

Hoje, dentro do meu peito,
Ferve fétido veneno amargo e frio,
Meu mar-de-rosas.


(Fortaleza, Julho de 2011)



Nenhum comentário: